Luzito  - aventura no mar!

 

Uma homenagem ao LUZITO, embarcação que nos tempos da Mocidade Portuguesa tanta gente ensinou a NAVEGAR à Vela

 

[The link bar feature is not available in this web]

 

         * mais vale um bom dia de mar que um bom dia de trabalho *    

 

"É Fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática "

 ( Paulo Freire)

 

Deixa que o vento penteie os teus cabelos, que o mar lave teus pensamentos... sente o sabor da aventura num ambiente de tensão agradável!

 

CONTACTO

antoniorosa@hotmail.com

 

_______________________________

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador 
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o Céu.
Fernando Pessoa

visitantes

desde 16-09-2005

 

___________________________________________

  

PREVISÃO DO TEMPO

 

Windguru

 

Windytv

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FORMAÇÃO

 

Curso simplificado de iniciação à vela Apontamentos diversos...

 

Curso de Vela - Prof. Gustavo Pereira - o elementar para nos entendermos a bordo

__________________

 

_____________________

 

FOTOS

 

 

  última actualização:12-jun-2017

ACTUALIDADES

Tive acesso aos Planos do Monotipo LUZITO, barco de aprendizagem da Vela, no tempo da Mocidade Portuguesa - Traçado de J. S. Brites. No rótulo pode ver-se que o nome deste monotipo escrevia-se com "Z" e não com "s", ficando feita a distinção entre o barco LUZITO e os Lusitos, jovens dos 7 aos 14 anos que integravam o movimento da Mocidade Portuguesa (http://pt.wikipedia.org/wiki/Mocidade_Portuguesa)

 

 

A lágrima disse ao sorriso: invejo-te, pois vives sempre feliz!
 
 O sorriso respondeu: enganas-te, às vezes sou apenas o disfarce da tua dor!

 

 

 

Eles não sabem nem sonham

que o sonho comanda a vida.

Que sempre que um homem sonha

o mundo pula e avança

como bola colorida

entre as mãos de uma criança.

António Gedeão